Início Saúde O impacto da pandemia na saúde mental das crianças

O impacto da pandemia na saúde mental das crianças

4 leitura mínima
0
0
81
#


Adultos e crianças tiveram que mudar as suas rotinas com o início da pandemia da Covid-19 há mais de um ano. De repente, somos obrigados a fazer isolamento social, evitar o contato físico com parentes e amigos. E essas mudanças estressantes podem gerar diversos impactos psicológicos, principalmente, nos pequenos.

Segundo a psicóloga Ivana Teles, a necessidade de manter o distanciamento dos colegas e a impossibilidade de ir à escola podem causar diversos problemas psicológicos às crianças, ainda mais quando os pais, por motivos diversos, não dão a atenção devida a elas durante o isolamento social.

Para a psicóloga, a criança pode apresentar alguns sintomas quando começam a surgir questões emocionais: “É comum perceber alteração de humor, irritação com facilidade; mudanças no comportamento, como passar a se isolar, deixar de fazer coisas de que gostava e chorar mais fácil. A alteração e a inquietação no sono e no apetite também são sintomas comuns. Além disso, é necessário acompanhar o rendimento escolar dessa criança e perceber oscilações mais determinantes”, explica Ivana.

Foi pensando nisso que uma rede de plano de saúde que atua no estado do Ceará, elencou algumas dicas para ajudar os pais e responsáveis contornarem a situação e manter a saúde emocional dos pequenos:

  • É importante conversar com as crianças para que elas entendam o que está acontecendo, sem deixar de levar em consideração a faixa etária de cada uma e assim saber o nível de detalhes de que que essa conversa necessita;
  • Ouvir a criança é fundamental, isso auxilia que os adultos entendam um pouco da maneira como ela sente e percebe a situação, o que vai ajudar bastante na hora de estabelecer um bom diálogo;
  • Filtrar o excesso de informação é fundamental. Os pais devem definir horários certos para as crianças usarem aparelhos eletrônicos e sempre manter a supervisão sobre o conteúdo que está sendo consumido;
  • Utilizar videochamadas para mostrar aos pequenos que esse momento é passageiro e que, quando tudo isso passar, eles vão voltar ao convívio dos coleguinhas e familiares;
  • Manter a calma e se preparar para falar é fundamental, pois os pais são referências para os filhos e, mesmo que seja uma tarefa muito difícil, é importante manter a paciência para não confundir ainda mais as crianças.
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Kátia Alves
Carregar mais Saúde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + cinco =

Verifique também

Defensoria lança site de adoção de cartinhas da campanha “Natal solidário para os abrigos”

A partir desta quarta-feira (1º), quem quiser adotar cartinhas da campanha “Natal solidári…